A importância das relações sociais para o bem envelhecer

rela'c~oes sociais para o bem envelhecer

Como seres sociais, interagimos diariamente com a sociedade e, ao longo de nossas vidas, criamos vínculos afetivos, amorosos, profissionais, e tantos outros. Os anos passam e é inevitável perdermos pessoas próximas, entes queridos. Criar, manter e renovar nossa rede de apoio composta pela família, amigos, e conhecidos próximos  é um fator indispensável para vivermos bem. E mais ainda para envelhecermos bem, e sermos idosos saudáveis.

Infelizmente, é comum a velhice ser encarada de maneira preconceituosa e carregada de estereótipos negativos. Como consequência, há a exclusão social do idoso, que é visto como alguém improdutivo, considerado um fardo social que não tem nada a oferecer.

Sentir-se isolado e excluído da sociedade gera doenças físicas e mentais no idoso que é afastado e, ao mesmo tempo, termina por afastar-se de todos, em um movimento de auto-rejeição.

Já o idoso que conta com apoio social, que é cercado de pessoas que o estimam e  que mantém um estilo de vida saudável, tende a viver a etapa da velhice de forma mais prazerosa, leve, menos estressante e,  consequentemente, desenvolve menos problemas de saúde.

Pesquisas mostram que redes sociais adequadas  fortalecem o bem-estar emocional. O acesso do idoso ao mundo virtual pode reforçar hábitos saudáveis, muní-lo de informações, e gerar novos vínculos, mantendo-o conectado a uma rede maior que estimula de forma diferenciada sua mente.

Além disso, há uma relação entre o bem envelhecer e educação formal: idosos que têm maior nível de escolaridade  e tiveram mais acesso à educação parecem possuir mais conhecimento sobre promoção de saúde e prevenção de doenças. Como consequência, há uma maior probabilidade de que possuam hábitos de vida mais saudáveis, e que estejam mais atentos aos cuidados de saúde.

Estabelecer e reforçar laços de amizade, além de valorizar a aprendizagem durante nossa vida, é um fator crucial para nossa saúde física, para enfrentar momentos difíceis da vida, para nos tornarmos mais resilientes e positivos.

Você se acha muito velho ou tem um parente idoso que acredita que é muito tarde para tecer, remendar ou mesmo aumentar sua rede de relações, seja no mundo real ou no mundo virtual? Em seu artigo denominado “Como nossas relações influenciam o envelhecimento” Alexandre Kalache, médico especializado no estudo do envelhecimento e um dos maiores conhecedores do assunto, afirma que nunca é demais para estimular mudanças, em nós mesmos e nos outros. Seja com 60 ou 70 anos. Quanto antes, melhor.